29 de outubro de 2014

A minha pequena criatura assustadora

Vim a saber recentemente que na nova escola do meu filho têm por hábito fazer um desfile de Halloween. Não é comemoração que me diga muito, até porque não faz parte das minhas recordações de infância, mas como é mais um motivo para os miúdos se divertirem, lá dei permissão para que participasse. Isso colocou-me perante o desafio de desencantar uma fatiota. O pai (ainda mais entusiasmado que o filho) planeou embarcar na aventura dos trabalhos manuais, e criar um fato original do boneco preferido do filhote, o Perry Ornitorrinco da série de desenhos animados Phineas e Ferb
Acontece que o tempo (que não dá para tudo) foi passando… Chegámos à semana do acontecimento e nada de fato.

Feitas as devidas pesquisas na Net, concluímos que o fato do Perry era para esquecer, não existe. Sobrou a alternativa, o segundo personagem preferido (no momento) do meu filho, o Darth Vader… 
Optámos por ir ao centro comercial Colombo, pois reunia num mesmo espaço o Toys R Us e a Disney, duas lojas onde confirmámos existir o fato em causa. 
Estava quase convencida com o do Toys R Us, era mais barato e trazia na mesma caixa dois fatos, um de Darth Vader e um de stormtrooper (ficava já para o Carnaval). Mas mal lho experimentei percebi que não seria uma boa opção, a mascara magoava no nariz, tinha má visibilidade e o sabre de luz era um perigo para os outros meninos.

Fomos à Disney.Tudo era de melhor qualidade, e o mais importante, a mascara assentava bem na cara e tinha boa visibilidade. Experimentou para ver que tamanho trazer. E aí é que foi a loucura… Soltou-se a fera…  
Quando se viu com o fato vestido não mais o largou. Perseguiu com gritos “assustadores” e braços no ar, todas as pessoas que encontrou na loja. 
As empregadas, umas queridas, alinharam na brincadeira e foi tanto um grande rebuliço, como um momento de diversão pura para a minha pequena criatura assustadora.
Finalmente lá o apanhámos para pagar e voltar para casa. Impossível mesmo foi convence-lo a despir o fato, pelo que saiu da loja completamente mascarado.

A travessia do Colombo foi um momento digno de um episódio de Candid Camera. Merecia ter sido gravado, mas não tive essa presença de espírito...
O pequeno Darth Vader, da loja da Disney até ao estacionamento, perseguiu toda a gente que encontrou. E foi caricato, além de divertido ver as diferentes reacções das pessoas.
Umas riam a bandeiras despregadas e alinhavam na brincadeira, outras faziam cara de leite azedo por serem incomodadas, e olhavam para nós com olhares reprovadores. Houve quem abanasse a cabeça como quem diz “que parvoíce”,  e outros, os mais distraídos, saltavam com o susto do inesperado, fazendo as delicias da minha criança, por ter sido verdadeiramente assustador.
Chegou a casa em puro delírio no seu papel de mauzão, e foi complicado convence-lo a tirar o fato para dormir.

Eu sei que ele gosta dos personagens da guerra das estrelas, pois para além de ver os desenhos animados sempre que pode, os legos das naves são o seu brinquedo favorito, mas intriga-me o facto de em nenhum momento se ter deixado convencer a trocar o fato de Darth Vader pelo do Luke Skywalker, do Yoda ou de um outro qualquer jedi. 
Ser mauzão é mais divertido, ou deverei ficar preocupada?



Sem comentários: