29 de janeiro de 2015

Cinco anos de ti

Cinco anos passaram e eu continuo a aprender a ser a tua mãe, uma mãe que se molda à medida das tuas necessidades. 
Cinco anos para entender que não há livros que se escrevam ou se leiam que tenham a fórmula mágica. Que não há mães perfeitas. Foi preciso tempo para finalmente aceitar que existem tantas opiniões como pessoas (pais, avós, tios, colegas …), e nenhuma delas sabe o que é melhor para nós, por mais que achem que sim.
Nenhuma dessas pessoas, que oferece "verdades universais" conhece a tua essência. Nenhuma conhece como eu, as nuances do teu sorriso, as particularidades das birras, os rituais diários que inventas para te sentires mais seguro. 

28 de janeiro de 2015

Estou quase...

A frase do dia do meu filho:

"Eu hoje tenho quatro anos, amanhã vou fazer cinco, estou quase a crescer..."



26 de janeiro de 2015

Finalmente o Sol

Depois de uns dias, onde a chuva intensa e o frio me obrigaram a rodar todos os camisolões quentes que tinha nas gavetas, sendo que alguns tinham como único propósito aquecer-me os Natais em Bragança... 
Depois de dar por mim várias vezes no trabalho a sonhar com as férias, para fugir ao frio que teimava em entranhar-se em mim, e trazer de volta, nem que fosse só na imaginação, o calor do sol que tanta falta me faz... 
Depois de pensar que ia passar dois dias no sofá, entre livros, filmes, cobertores, bolos e chá...
Eis que inesperadamente o fim de semana chega cheio de sol!

24 de janeiro de 2015

O bengaleiro das crianças

O meu filho adora uma certa loja sueca. 
Se a caminho de qualquer destino, ele avista o símbolo azul em fundo amarelo (como aconteceu hoje), é certo que vamos ter de o ouvir durante todo o percurso a pedir para lá ir. 
"vá lá... por favor... Se não formos, não vou ser amigo do meu pai durante tantos dias..."
Para deixar de ouvir o choradinho, acabo invariavelmente a dizer “hoje não pode ser, vamos noutro dia.”
Depois tenho de ir, que ele não me deixa esquecer a promessa.
E qual é a razão desta paixão assolapada de uma criança de 4 anos, por uma loja de moveis e coisas para a casa?

22 de janeiro de 2015

Resolução numero dois

Escolher um destino e ir. 
Apanhar um avião para algures, e simplesmente vaguear por uma cidade a descobrir sem pressa. Conhecer ruas e ruelas, cultura, hábitos, manias, gente. Olhar embasbacada para monumentos, paisagens, arte. 
Ficar sentada numa qualquer esplanada a assistir ao pulsar de outra urbe. Escutar uma língua nova e tentar adivinhar sentimentos. Provar outro povo através da sua gastronomia. 
Fotografar pequenos detalhes, ou exemplos da grandiosidade do génio humano, ter visões do passado usando a imaginação. 
Sentir a excitação da partida mas voltar serena e de coração cheio. 
Ganhar mundo, trocar experiências, ensinar e aprender, testemunhar a história.

20 de janeiro de 2015

O meu namoro

Desde que criei o blogue e (re)comecei a escrever, comecei também a pensar de uma maneira mais profunda, no que me move. Posso dizer até, que tenho feito uma espécie de auto análise quase diária. Algumas vezes feliz, outras nem tanto. Independentemente de ser mais ou menos doloroso, isto trouxe-me a uma consciência de mim que não tinha e que ganhei no processo. Deparei-me com situações manifestamente recorrentes, que finalmente tento abordar de maneira diferente. 
Alguns padrões tornaram-se evidentes. Que há tendências claras, se estiver mais atenta ás "casualidades". 
Reconheci ciclos negativos, aos quais começo agora a saber como fugir. Analisei motivações à lupa, e entendi que vivi uma boa parte da minha vida distraída. 
O resultado: caio indiscriminadamente nos "buracos" da minha estrada sem aprender a evitá-los. 

17 de janeiro de 2015

Patos e gatos

O que têm em comum? 
Nada... calhou serem os primeiros que serviram de teste à máquina nova.


14 de janeiro de 2015

Canon EOS 70D

Chegou finalmente! 
Depois de quase um ano a dizer que era cedo, que precisava de pesquisar mais, de sentir as limitações da minha querida G12, decidi. Escolhi a Canon EOS 70D, que não sendo profissional (eu também não sou!), já me dá muitas possibilidades.
Quanto ao preço, com uma promoção da Canon, também não foi escandaloso. 

Canon EOS 70D

13 de janeiro de 2015

Um gesto vale mais que mil palavras

Na vida já todos ouvimos histórias que nos deixaram embasbacados.
Histórias de gestos grandiosos e comoventes, ou de momentos heróicos. Nem todos podemos dizer que os praticámos ou presenciámos, porque esta manta de retalhos que é a nossa vida, não é só enriquecida pela grandeza, ela é tecida principalmente nos pequenos gestos do dia a dia, aos quais poucas vezes damos a importância merecida, mas que nos aquecem por dentro, nos surpreendem e nos comovem. Senão vejamos:

11 de janeiro de 2015

Saldos

Até lhe tenho medo. Principalmente quando seguidos da fatídica combinação "70%"...
E não estou a falar da confusão, que pode ser mais que muita. Refiro-me àquela sensação que nos envolve e nos tolda o raciocínio. Aquela embriaguez que nos assola ao vermos uma pechincha, e da qual só tomamos nota quando, dias mais tarde, (normalmente tarde demais) nos apercebemos dos monos que trouxemos para casa.

Quem nunca comprou "pechinchas" nos saldos, que nunca usou, que atire a primeira pedra...


Mas apesar de tudo há esperança... Alguma.

10 de janeiro de 2015

Dilbert

Há momentos em que sinto uma vontade quase incontrolável de mandar tudo ás urtigas. Desligar o computador e sair.
São o culminar de situações em que o bom senso parece estar em vias de extinção. 
Nesses dias respiro fundo muitas vezes e faço pequenas pausas, antes de responder a um mail ou atender um telefonema. 
Fecho os olhos, e tento convencer-me que não vale a pena embarcar na onda.
Quando consigo um certo nível de abstracção, assisto ao "filme" como se fosse observador e personagem em simultâneo. 

7 de janeiro de 2015

Depois da balda

Regressei ao ginásio depois de um mês de balda assumida. Fiz as duas aulas habituais da terça feira.
Não me poupei. Saí de lá exausta, mas de bem comigo. 
Amanhã, quando me doer tudo, vou rogar-me pragas por todo o entusiasmo de hoje. Já me conheço bem.
Podia ter ido com calma? Podia... mas não era a mesma coisa.


4 de janeiro de 2015

Fotografar mais

Uma das minhas resoluções de ano novo foi "fotografar mais".
Não deveria precisar de escrever numa lista algo que gosto tanto de fazer, mas o passado tem-me mostrado que são poucas as vezes que saio de casa com esse objectivo. Fotografo sim, mas fruto do acaso. Ou seja, se não me esquecer da máquina em casa, lá vou tirando umas fotografias. Não me estou a queixar, porque muitas das vezes são essas as minhas preferidas. 
Acasos felizes.

Hoje saí ao fim da tarde só para isso. Fui até Paço de Arcos, perto de casa. 
Sem tripé (ficou esquecido) e com pouca luz, não foi fácil, mas o resultado até me surpreendeu tendo em conta que foram

3 de janeiro de 2015

No entretanto








Dizem que não é o que comemos entre o Natal e o Ano Novo que engorda, é o que comemos entre o Ano Novo e o Natal.










1 de janeiro de 2015

O Que consegues fazer hoje, que não conseguias há um ano atrás?

... Foi a questão que a a  Rafa lançou no Facebook...

Fiquei a pensar no assunto, porque é de facto uma boa questão para se fazer quando um ano chega ao fim.

2014 não foi um ano fácil para mim, foi um ano em que desisti e depois voltei atrás, um ano em que tomei uma decisão séria, e a adiei constantemente em prol do que eu achava ser um bem maior. Foi um ano de uma constante luta interior.

Mas mesmo quando as coisas não estão bem, ou por isso mesmo, nós somos obrigados a mudar, a crescer, a procurar a melhor

O ultimo e o primeiro

Quem me conhece sabe que adoro fotografias do por do Sol.

Deixo aqui o ultimo do ano, tirado da minha varanda ...















... e o primeiro do ano, no cabo da Roca, o destino escolhido por tantos, que apesar do frio, se deslumbraram com esta beleza natural.