14 de maio de 2015

Recorrente

Há vezes, em que quero muito.
Quero tanto, que quase todos os sonhos sonhados me parecem possíveis. Nestes momentos só vejo caminhos. Soluções.
Todos os ses se transformam em certezas, sem planos, sem rascunhos, sem ensaio geral. 
Tudo faz sentido. 
E eu sou ousada. Podia ser aquela personagem que imaginei para um livro que vale a pena ler. Um alter ego desmedido.
À frente tudo é luz, e avanço sem hesitações. Primeiro devagar e depois cada vez mais depressa. 
Corro até atingir uma velocidade vertiginosa, enquanto me vou convencendo que não há que ter receio de nada.
No ultimo milissegundo possível, travo abruptamente. Boicoto-me com uma insegurança sem explicação. E toda aquela energia quase me rebenta por dentro. 
Perco o momentum. Atingida pela dolorosa contenção, acordo sem ar e o coração a mil.
Mais uma vez, o sonho transforma-se em pesadelo. Ainda não foi desta.


Sem comentários: