18 de julho de 2015

Coerência

Na educação de uma criança, uma das coisas que considero mais importante (quase a par com muito amor) é a coerência.
É conseguir passar a mensagem, de que o pai e a mãe acreditam naquilo que ensinam, que fazem aquilo que pregam, que estão de acordo, mesmo quando não estão. Sempre que possível, ser exemplo.
Porque quando estes factores não estão alinhados, a mensagem confunde mais do que educa.
A criança, (dependendo da idade), não sente segurança, percebe as fraquezas do casal e joga com elas.
Assume que o certo e o errado são variáveis, e portanto passiveis de serem alteradas mediante as circunstâncias.
E isso gera a crença que pode mudar as regras, basta que faça uma birra maior, um choradinho melhor, ou em ultimo caso, aquela chantagem que todos conhecemos, “mas o pai/ mãe deixa…”,  “se não deixares não vou ser o teu amigo…”, ...
Apesar desta crença profunda sobre a educação, nem sempre consigo que a coerência se dê, e isto deixa-me incrivelmente frustrada. De tal forma que acaba por me levar a níveis de irritação despropositados, gerando ainda mais confusão na cabeça de todos. E isso é algo para o qual tenho que arranjar uma solução rapidamente, caso contrário em vez de seguro, educado, e feliz, acabarei por criar um filho inseguro, malcriado, e sempre insatisfeito.


2 comentários:

Cláudia M disse...

A coerência é importante, mas acredito que os pais fazem o melhor que podem e agem de acordo com as circunstâncias, mesmo que nem sempre seja de igual forma.

O pequeno irá com o tempo entender os seus limites e regras e será com certeza N um menino(e adulto) seguro, educado e feliz. ;)

Beijinho

Escrever Fotografar Sonhar disse...

É verdade que faço o que posso, mas ás vezes ... não é simples. Bjs