11 de outubro de 2015

Valente e inspirador

As crianças nunca param de nos surpreender.  
Eu passei 5 dias a fazer filmes na minha cabeça. A ver cenários de horror na cadeira do dentista. A tentar convencer-me (sem sucesso), que estava a exagerar. 
Ainda tenho na memória a primeira consulta do meu filho, no oftalmologista. Sem entrar em pormenores, posso dizer que não foi bonito de se ver. No fim, a médica desistiu e pediu-nos para lá voltar dali a uns meses. Percebi que com ela, não valia a pena voltar a tentar. Porque a experiência ensinou-me, que se o meu filho não cria empatia com o médico, não colabora. Nada. E isso, em determinadas circunstancias pode ser desesperante. Quando é possível, mais vale mudar de médico.
Ontem logo pela manhã, levei o meu filho ao dentista pela primeira vez. Não era assim que tinha planeado, mas teve que ser. Tinha boas referências, devia estar calma, em vez disso estava uma pilha de nervos. Falámos calmamente com a médica, sobre o que tinha que acontecer. Quando percebi que a solução era arrancar os dois dentes de leite, tive que me sentar. Não vou fazer deste relato um filme de terror porque não foi. Só na minha cabeça. Não consegui olhar. A médica ainda me perguntou se não era melhor eu sair, porque não se podia preocupar comigo. Não quis sair, prometi que ficava quieta. Lá fora, sem saber se ele estava bem, ainda seria pior. O pai manteve sempre a calma. Mas o meu filho foi a estrela. Ele foi um valente. Eu, no lugar dele teria entrado em pânico. teria gritado entre cada desconforto ou antecipação de dor, insultado mentalmente o dentista, e todos os que estivessem por perto. Já fiz figuras muito tristes no dentista...
O meu pequeno herói não. Colaborou, foi ajudante de dentista na extracção dos seus próprios dentes, e ainda me explicou como funcionava a fada dos dentes, (nunca lhe tinha falado de tal coisa, mas parece que na escola estas coisas também se sabem). Teve ali alguns momentos "menos agradáveis" mas aguentou firme. O mérito, claro, foi também da medica por ter conseguido que aquela primeira experiência, não fosse traumática. E isso tenho que lho agradecer.  
Saiu de lá com um sorriso desdentado, mas a sorrir.
Posso dizer que ele me deu uma grande lição, só não sei é se eu a aprendi. 


1 comentário:

Cláudia M disse...

E correu mesmo tudo bem ;) Que bom! Eles são mesmo uns valentes que nos surpreendem sempre não é ?

Quanto às lições, eu estou contigo, detesto ir ao dentista! O teu pequeno é um menino cheio de coragem. Mas neste caso, o receio que sentiste é a preocupação e protecção de mãe e neste caso e noutros que eventualmente virão, acredito que não tenhas mesmo ''aprendido'' a lição, ou seja, o medo, o receio por ele vai estar sempre lá e ainda bem. Faz parte do ser mãe, não é ? :) <3

Beijinho