15 de janeiro de 2016

As relações não são (assim tão) simples

Foi-me lido recentemente um excerto de um texto, que advoga que um casamento duradouro acontece, quando se casa várias vezes com a mesma pessoa. Ou seja, periodicamente, o casal deve voltar ao inicio. Renovar-se. Renovar o romance, renovar a casa, o guarda roupa, os interesses, os hábitos, os amigos, o destino de férias, por ai fora… Como se cada um fosse uma pessoa nova, tal como acontece numa separação seguida de uma nova relação. Até porque, feitas as contas tal renovação fica mais barata que um divórcio, e poupa as crianças (caso existam). 
A ideia não me pareceu de todo estapafúrdia, e poderá funcionar nalguns casos, principalmente se o motivo for aborrecimento. O que me fez confusão naquele momento, foi saber que a pessoa que defendeu esta ideia, é casada pela segunda vez e (penso eu) feliz. E mais confusão ainda, que o discurso tenha sido feito na presença de outro casal, no meu entender o casal mais feliz e “certo” que eu conheço, que não existiria se não fossem eles o resultado de um divórcio, e consequentemente de  segundo casamento.
Na altura, não tive oportunidade para o verbalizar, e depois o momento passou, mas enquanto estava a ouvir defender esta teoria, ocorreu-me perguntar, se por algum segundo lhes passara pela cabeça, que teriam sido mais felizes mantendo o casamento anterior, caso tivessem feito essa “renovação”. Pensando melhor, ainda bem que não fiz tal pergunta, porque certamente a resposta teria sido um redondo não.
Claro que é impossível adivinhar um caminho não percorrido, para comparação. Mas tenho a certeza que, mesmo provado o sucesso de tal ideia, eles nunca ponderariam trocar o casamento actual (nem por hipótese), pela continuação "renovada" do casamento anterior. 
Os “ses” não fazem história, mas toda essa “renovação”, na minha opinião, só melhora um casamento e evita a separação, quando ambos se querem manter juntos a todo o custo. Caso contrário, é só uma questão de tempo. Ou melhor dizendo da perca dele.




2 comentários:

Joana Sousa disse...

"Ou melhor dizendo da perca dele." Pois. Não sei. Não sou casada, certo, mas tenho um namoro de longa duração e sei que o aborrecimento destrói muito. Já por várias vezes matamos o "aborrecimento" dessa forma, e honestamente acho que é uma técnica essencial, mas não é certa nem infalível!!

Jiji

Escrever Fotografar Sonhar disse...

Lá está, é muito bom "agitar" para que as pessoas não se percam uma da outra no caminho, mas depois de se perderem, já não é assim tão simples de se voltarem a encontrar. Mas tenho que dizer que não sou "especialista", cada caso é único, e não há formulas assim tão genéricas.

bjs
Nat.