16 de março de 2016

Dois! Venha o próximo.

Dois anos deste Blogue.
Dois anos de fotografias, textos e sonhos, cumpriram parte do objectivo inicial: fotografar, criar rotinas de escrita, partilhar.
Mas mais que cumprir objectivos estes dois anos trouxeram um mundo de coisas boas, as pessoas (tantas!), experiências, auto-descoberta, novas formas de comunicar.
Em retrospectiva consigo sentir a aprendizagem e o amadurecimento que se deu. Mas não chega.
Escrevi muito, fotografei muito mais, publiquei aqui menos do que gostaria. A disciplina não é o meu forte.
A verdade é que com mais ou menos frequência, na escrita e na fotografia a coisa dá-se naturalmente, e é assim que tem de ser, (por obrigação deixa de fazer sentido). Mas no sonho sinto que estou a falhar.
Sonhar parece o mais simples, não é? Também eu achava que sim. Como é que se pode falhar no sonho?
Há um ano atrás escrevi sobre concretização, e hoje, gostaria de estar a escrever sobre sonhos alcançados, mas a verdade é que salvo uma viagem há muito sonhada, estou longe de realizar uma lista deles. 
Nesta senda de auto-conhecimento, percebi que não sei sonharEstá dito. 
Custou-me admitir, mas mais que dito, está escrito. Não sei. Quando muito fantasio um bocado. Mas sonhar...Não. 
Este verbo (sonhar) aparentemente leve e simples é muito mais difícil de conjugar que os outros dois: Escrever e Fotografar.
Porque Sonhar não é só desejar à toa, ou dizer “gostaria de...”, “era bom se...” “um dia vou…”. 
O sonho é muito mais que castelos no ar, em forma de algodão doce, o sonho precisa de um plano, de tentativas de concretização, de trabalho, de sacrifícios. Por vezes implica falhanços seguidos de reflexão, de aprendizagem, de novas tentativas. O sonho precisa de ser partilhado com quem sente o mesmo, com quem acredita nele, porque não andamos sozinhos.
O que tenho feito nestes últimos tempos não é sonhar, é fantasiar. Desejar sem agir, não é sonhar, é matar o sonho.
Comparar as nossas dificuldades com as (aparentes) facilidades alheias, não é mais, que esconder o medo de não conseguir.
Escolher. Agir. Recomeçar. Aceitar que algo ficará para trás se queremos seguir noutra direção. 
Tenho que interiorizar de uma vez, que sonhar também é fazer escolhas, abdicar.
Por mais que queira, não posso ter tudo, não posso fazer tudo, não posso ser tudo.



2 comentários:

Cláudia M disse...

Muitos Parabéns ao teu cantinho! ;) Curiosamente o meu canto, também fez dois anos em Fevereiro, mas ao andar tão absorvida com as coisas do dia à dia, só dei conta uns dias depois... Mas é muito bom, continuarmos a resistir neste mundo blogoesférico :)

Que venham muitos mais!

Beijinhos querida Natália

Escrever Fotografar Sonhar disse...

Obrigado. Tem piada termos "quase" ao mesmo tempo, decidido abrir uma janelinha para o mundo. Eu também quase me esqueci da data, em boa verdade são datas que só nos dizem algo a nós, e servem para recordar porque começámos. bjs