10 de março de 2016

Parentalidade Positiva

Isto da maternidade "dos tempos modernos", tem coisas caricatas, uma delas é a nossa compulsão por cursos, workshops e livros sobre o tema. Começamos pela preparação para o parto, e a partir daí é sempre a “actualizar currículo”.
Queremos o melhor para os nossos filhos, e uma vez que já não termos a nossa "aldeia" por perto como antigamente, (mães, tias, irmãs mais velhas...) procuramo-lo fora de nós. Nessa procura encontramos tanta informação e tão contraditória que nos confunde ainda mais. Consequentemente em vez de nos sentirmos mais aptas, acontece o contrário, a culpa e a insegurança crescem. 
A partir de determinada altura, dá-se um click, e percebemos que também isto da maternidade tem modas
Começamos  então a  questionar as teorias alheias, e a deixar de aceitar de olhos fechados, o que os supostos “gurus” defendem, porque na verdade o nosso filho é único.
Com o tempo e a maturidade, ganhamos a segurança que precisamos para seguir o nosso instinto.
Apesar disto tudo que acabei de dizer, há uns dias, participei em mais um workshop. Desta feita de parentalidade positiva organizado na escola do meu filho e ministrado pela Magda. Fui, por ser já ali, e porque o blogue dela, Mum's the boss não me era nada desconhecido, muito pelo contrário, há uns (dois?) anos, tentei assistir a um dos seus workshops, mas não me foi possível. A oportunidade passou, e entretanto convenci-me que demasiadas teorias sobre como educar os nossos filhos, só nos confundem.
Mais uma vez tenho que me recordar que isto das ideias preconcebidas só nos atrasam, porque fui, ouvi a Magda e foi muito bom, de tal forma que aconselho vivamente a quem tiver essa oportunidade. Ela transmite as ideias de forma clara e tem um sentido prático que nos cativa. 
Pela primeira vez identifiquei-me com tudo. Pela primeira vez, o que ouvia, fazia todo o sentido. Apercebi-me que instintivamente no dia a dia, já estava a aplicar alguns dos truques que funcionavam, mas ali percebi porque é que funcionavam. Mais que isso, fiquei certa que para mim aquela era a maneira correcta chegar ao meu filho.
No final, só tenho pena de não ter conseguido falar com a Magda, pois tinha um par de questões, para lhe colocar. 
Eu sou um bocado tímida, ela estava ocupada a falar com outras mães, e o meu filho tinha fome e pedia para ir para casa. 
Desculpas, claro, mas tenho pena de não ter aproveitado aquela oportunidade de esclarecer algumas das minhas dúvidas.
Fica para a próxima.



Sem comentários: