14 de maio de 2016

Porque ser mãe (ou pai), nem sempre é fácil

Não é segredo que tive muita dificuldade em engravidar
Sei que eu sou um entre muitos casos. Casos diferentes, iguais, parecidos. Casos sem solução, com esperança e sem ela. 
No meu caso, nunca percebi qual o motivo de não conseguir engravidar da forma tradicional, nem o que falhou nas primeiras tentativas na clínica de fertilidade. Tal como não sei qual a variável que mudou na equação, e que me deu um filho à terceira tentativa. 
Não sei, porque o médico não mo conseguiu explicar, e percebi na altura, que a ciência está num estado muito embrionário, no que a este tema diz respeito. Não é de fácil investigação tendo em conta tudo o que envolve, física e moralmente. 
Na altura, perante o meu desânimo quando não encontraram as razões do meu insucesso, foi-me dito que 20 % das vezes, as causas da infertilidade são inexplicáveis. 20 em cada 100 é demasiado.  
Acredito que tive sorte. E agradeço. 

Mas como disse acima, há casos (quase) sem solução, que a ciência explica mas que até agora não podia resolver legalmente. Para esses foram aprovadas ontem, na assembleia da república alterações ao regime da procriação medicamente assistida (PMA). Criou-se a possibilidade de recurso a bancos de esperma e óvulos, a todas as mulheres, incluindo a gestação de substituição, conhecida como barriga de aluguer
Eu, da minha parte não vou esmiuçar um tema tão sensível (os especialistas que o façam), digo só que fico feliz por mais pessoas (que não tinham esperança de o conseguir), tenham a partir de agora, a possibilidade de concretizar uma gravidez. Só espero que a legislação seja clara, justa e bem estruturada, para que não transformem algo tão importante e especial num negócio.




3 comentários:

Cláudia M disse...

Pois... eu também tenho as minhas reservas em relação a este assunto. Se por um lado, acho muito bom, existir mais esta possibilidade, para os casais que querem ter um filho, por outro lado, tenho o mesmo receio...

Que se torne num negócio, e que quem o veja como tal, inclusivé seja negligente, que não tenha cuidados com a gravidez, que fume desalmadamente, que beba, etc Pode ser um pouco chocante, mas há pessoas para tudo, neste mundo...

E se por outro lado, se apaixonar, por aquela vida que cresce dentro dela, e queira ficar com o filho... é certo, que isto pode acontecer em qualquer parte do mundo, a quem recorre, às barrigas de aluguer, mas nem consigo imaginar o sofrimento causado, a uns pais que recorram a isto e depois, a mulher queira ficar, com um filho que não é dela... Complicado...

Esperemos que corra tudo bem e que esta aprovação, venha a fazer muitos casais felizes. Esperemos que sim.

Um beijinho

Escrever Fotografar Sonhar disse...

Este tema não é simples. Carrega sempre uma grande carga emotiva, principalmente a quem teve, ou conhece experiências relacionadas. Acredito que trará a solução para casos que pareciam não ter nenhuma. Quanto ao resto, prefiro ser optimista. bjs

Cláudia M disse...

Sim, eu também. Também quero acreditar que vai correr tudo bem. Bjs