9 de outubro de 2016

Não há duas sem três?

Estou irritada. Comigo.
Ando aqui com esta ideia ás voltas, e ao mesmo tempo penso que não vale a pena este desgaste por uma escolha que eu fiz. Tento ser optimista e procuro o lado positivo. Não estou a ser bem sucedida.
Depois dos últimos desaires capilares, andava a ponderar deixar de pintar o cabelo. Renovação. Parar de lhe fazer mal. 
Foi de tal forma que durante mais de dois meses deixei o desleixo correr, e quase me convenci que era desta que voltava ás origens. Mas a verdade é que não consegui levar esta decisão até ao fim. Ainda é cedo. Por isso, depois de ponderar algumas hipóteses decidi voltar a pintar, desta vez com um tom bastante mais escuro. Um castanho muito próximo do meu tom original. 

Optei por uma nova linha de coloração, e o processo até nem correu mal relativamente a reacções, mas quando fiquei em frente ao espelho depois da lavagem, e vi o resultado final... Arrependi-me de imediato da escolha. Demasiado escuro.
Esta não é a minha cor. Definitivamente. Após cinco anos de castanho claro, castanho acobreado, e outros tons bastante mais claros que o meu tom, já não me consigo ver nesta cor. E sim, há de certeza algo positivo neste resultado, eu é que não consigo encontrar nada a não ser que é algo a não repetir. Entretanto digo a mim mesma que posso mudar de cor outra vez, que isto não é um drama assim tão grande. Não me faz sentir melhor. Continuo irritada.


2 comentários:

Cristina Loureiro disse...

Como eu te percebo... mas a mim acontece-me é com o corte de cabelo.
Gosto de manter o meu cabelo curto, acho que é o que me fica melhor. Como tal tenho de ir ao cabeleireiro uma vez por mês para o corte não perder a forma e assim aproveito e também o pinto lá. O problema é acertar sempre com o formato do corte é que basta errar alguns centimetros mais curto ou mais comprido e ele já não fica exactamente como gosto. E eu que tinha um cabelo tão fácil de lidar...

Beijinhos

Escrever Fotografar Sonhar disse...

Acho que quanto ao cabelo, raramente estamos satisfeitas, e ás vezes exageramos... bjs