5 de março de 2017

Conspiração

O que pensar, quando nos parece que o universo conspira contra aquilo que queremos?
Quando, num determinado objectivo, por mais que façamos planos, que marquemos datas, que assumamos compromissos connosco e com os outros, aconteça sempre algo que nos impossibilite de chegar lá.
Devemos levar essas contrariedades de que forma? 
Acreditar que é um teste à nossa vontade, que serve para nos fortalecer e garantir que é isso mesmo que queremos
Ou que não, que é um aviso. Um sinal de sentido proibido que constantemente se pespega à nossa frente. 
Estou confusa com alguns sinais. Já não sei o que pensar. Vale a pena continuar a bater com a cabeça na parede, e seguir caminhos que constantemente levam a becos sem saída, até achar o certo?
Ou, mais vale parar, e aceitar que se fica constantemente fora do meu alcance, é porque não é para mim?
Parece uma piada de mau gosto. Daquelas absurdas, sem sentido que desafiam crenças.
O mais fácil é desistir, seguir com a corrente sem protestar. Mas o que realmente me apetece é continuar a tentar, bater com a cabeça na parede, até que ela vá abaixo. Pagar para ver. Será isto somente uma teimosia irracional? 

E na volta não há sinais, o Universo está-se a marimbar para cada um de nós, pois não passamos de um pequeno agrupamento de moléculas de carbono, água e pouco mais. Tudo nesta vida não é mais que uma sucessão randómica de acasos, para os quais precisamos de uma interpretação lógica que não existe, num caos que só respeita as leis da Física.
Precisar que tudo faça sentido, só depende de nós, encontrar esse sentido ou aceitar que não precisamos dele, também.
Assumir essa responsabilidade é o verdadeiro desafio.


1 comentário:

Claudia Mascote disse...

Por vezes parece mesmo que tudo conspira contra nós, mas se é algo que queres muito, não desistas, querida Nat.

Podemos desistir de tudo, menos do que nos deixa ou faz feliz ;)

Beijinhos